sexta-feira, 26 de abril de 2013

Já é tempo da Física reconhecer que o tempo é real.


Embora todos estejamos bem conscientes da passagem do tempo, o conceito de tempo nunca foi bem explicado pela Ciência.

Alguns físicos chegam a afirmar que o tempo é uma ilusão da nossa mente.

Uma das características mais marcantes do tempo é a de que podemos recordar os eventos passados mas, salvo as alegações de alguns gurus e videntes, não conseguimos aceder aos eventos futuros.

Isso é o que se chama de irreversibilidade do tempo: as frutas amadurecem e se estragam, nós envelhecemos, etc.; nunca vemos algo assim acontecer na sequência inversa.

No entanto, o misterioso nisso é que as equações que descrevem muitos desses fenômenos são simétricas com relação à variável tempo, isto é, descreveriam igualmente bem os fenômenos inversos.

Estava lendo hoje o interessante artigo de opinião It's time physics recognised that time is real (Já é tempo da Física reconhecer que o tempo é real) na New Scientist desta semana, no qual o físico Lee Smolin, do Instituto Perimeter, Canadá, descreve seu trabalho, juntamente com o filósofo brasileiro Roberto Mangabeira Unger da Universidade de Harward e a cosmóloga Marina Cortês da Universidade de Edinburgo, na visão de que "as leis físicas verdadeiramente fundamentais são temporalmente assimétricas, tornando a irreversibilidade do tempo uma condição fundamental do universo".

Uma das vantagens desta abordagem é que ela não só teria a capacidade de explicar fatos básicos sobre o nosso universo que de outra forma parecem ser inexplicáveis, como o faria de maneiras testáveis ​​por experimentação.

Isso tornaria o tempo realmente real.